Este blog faz mal à saúde. Se conhece alguém com influência ou com um martelo de orelhas, mande fechar este blog. Não se admite tamanho atentado à integridade intelectual dos cidadãos. E à integridade física dos llamas chilenos. Nem que José Carlos Malato faça tanta cura de emagrecimento e apareça todo nú em festas gay mais gordo ainda. E não se admite que não haja quem arranje uma cadeira mais larga para o João Gobern se sentar

Friday, December 25, 2009

Armazém do Carnaval de Torres Vedras destruído depois de falhar a pista de aterragem


Passava pouco das 07h00, hora de Torres Vedras continental, quando o armazém da organização do carnaval de Torres Vedras se ergueu nos céus. Porém, poucos instantes após descolar, o aparelho pré-fabricado, que tinha sido revisto pela última vez nas oficinas de manutenção precisamente no dia em que foi montado, encontrou um bando de pássaros, que provocou a avaria dos dois motores.

Iniciando o procedimento de emergência, o barracão fez meia-volta e, no meio do temporal, tentou aterrar, mas os ventos estavam demasiado fortes e aterrou fora da pista de aterragem. Felizmente não há vítimas a lamentar, a não ser as vítimas que pertencem à organização do carnaval de Torres Vedras e agora vão ter que voltar a arrumar aquilo tudo no sítio. [Sim, porque os desgraçados dos desalojados não têm quem lhes dê casa, mas esta gente vai ter o carnavalinho deles impecável em Fevereiro, vão ver].

Sempre quero ver se têm sentido de humor suficiente para converterem o que se passou numa brincadeira durante o carnaval de 2010. Ou eventualmente fazerem um barracão alegórico...

o

Sunday, December 06, 2009

LA is my lady... ta ta ta ta ta...

Tentei em vão localizar o Sinatra nos auscultadores. Faz tempo que não presto as minhas homenagens ao dirty old Frank. Há sempre alguma coisa de imortal na obra dos artistas que já se foram, uma súbita necessidade de zelar por que não se preca o contacto, de os reencontrar na perpétua obra que deixaram. Passa-se mais ou menos o mesmo com o Michael Jackson – agora que se foi, dá vontade de voltar a ouvir as suas músicas. Felizmente, é uma vontade que passa depressa. Basta ouvir o ‘Bad’ e pronto, assunto resolvido. Passa logo a vontade. Curiosamente, nunca tive vontade de reescutar a Amália e faz tempo que já se foi. Há sempre alguém disposto a lembrá-la por mim, numa rádio, num projecto musical fusionisto-sofisticado, num filme, num musical do La Féria, portanto não me parece que ela dê pela minha falta.

Voltando ao Sinatra. Não o encontrei na música de bordo, mas reencontrei-o mentalmente o suficiente para me acompanhar na belíssima descida do avião sobre a Greater Los Angeles. «LA is my lady… ta ta ta ta ta…», canta o Frank dentro do meu cérebro artificial, embalado pela multidão em delírio no Rose Bowl e pelo malte fermentado dos quinze whiskeys que despachou antes de tentar cantar aquela melodia ao vivo. [Perto do final da carreira, Sinatra estava um farrapo. A voz grave e pungente já só era meramente suficiente para falar, e contando que fosse até à hora do almoço. Para cantar, perfeita. Se fosse em playback] Felizmente estava uma tarde maravilhosa de um sol dourado reflectido no alvo das letrinhas mais famosas das colinas de Hollywood. O 747 sobrevooa a imponente Los Angeles como se fosse um pardal ligeiro, o que não deixa de ser surpreendente tendo em conta que estamos a falar do pássaro mais monstruoso e improvavelmente aerodinâmico que anda pelos céus normalmente. E a vista percorre Los Angeles de um lado ao outro, e mais um bocado de Los Angeles a seguir. E depois disso ainda há mais Los Angeles. Quase sem prédios altos. Quase exclusivamente preenchida por propriedades que crescem na horizontal e não na vertical. Sem muros. Com jardins. Com piscinas. Bonito.

Na Greater Los Angeles, uma zona metropolitana umas 200 mil vezes maior que o Lichtenstein e quase 300 milhões de vezes maior que o Colombo [a sério, dei-me ao trabalho de confirmar], vivem treze milhões de pessoas. Mais do que a população da Bélgica. Quase tantas pessoas quantas as que visitaram a Disneyland Paris no ano passado. Quase tantos seres humanos quantos todos os benfiquistas do mundo inteiro. Metade desses treze milhões de Los Angelinos [ou será Los Angelenses? Ou Los Angélicos? O Angélico Vieira que não leia isto, senão ainda lhe dou ideias para uma boys/gays-band…] não são cidadãos americanos. Há uma enorme comunidade oriental, com um peso decisivo de coreanos [para terem uma ideia, a Koreatown, que fica mesmo na zona baixa da cidade, ocupa uns 30 quarteirões], a conviver de forma aparentemente pacífica com mexicanos, peruanos, chilenos, porto-riquenhos, árabes, brasileiros, israelitas, paquistaneses, turcos e portugueses [há sempre um em todo o lado, não há? A caminho de Long Beach até há uma «curva dos portugueses» na estrada de Palos Verdes, que identifica a maior reserva natural da península de… hum… Palos Verdes]. Os motoristas de táxi são coreanos. Não falam uma palavra de inglês, mas percebem tudo. O dispatcher – um tipo fardado que chama os táxis e distribui as pessoas pelos carros à porta do aeroporto – é peruano e fala inglês quase tão bem como a minha mãe. [O domínio do idioma que a minha mãe possui alterna entre o «yes», o «ou-quei» e o «pénk-iú»]. O chefe do dispatcher é filho de pais jamaicanos. É o único que sabe falar inglês, apesar do bagaço lhe toldar a pronúncia.

Fico com o pressentimento que o LAX é o mais caótico pedaço de civilização que existe no mundo inteiro, com excepção de Atenas e Istambul. E da Fonte da telha. É um aeroporto enorme, confuso, em obras, desorganizado, a precisar de mais obras, labiríntico e a precisar de obras por causa das obras que já decorrem. São 45 minutos para conseguir passar pelo controlo de passaporte e outros 40 para conseguir descobrir a mala de viagem, que entretanto anda às voltas num dos tapetes esmagada por outras 7621 malas que chegaram de outros 43 voos. Depois mais um quarto de hora para passar pela alfândega. Finalmente entro na torrente dos passageiros que acabaram de chegar e se dirigem para a zona onde os familiares os esperam, que é quase tão grande como… a sala de espera de um consultório. Centenas e centenas de pessoas amontoam-se à espera de ver a cara do cidadão por que esperam. E eu, naquela confusão toda, era suposto ter encontrado alguém com um cartaz com o meu nome. Não encontrei, obviamente. Tive que ir ao balcão de informações, de onde fui sendo encaminhado para umas quinze pessoas diferentes. Finalmente fui dar com um senhor fardado com uma camisa branca com um grande «LAX» azul bordado no peito. Tinha um crachá pendurado numa fita dos… Los Angeles Lakers [eu devia ter desconfiado…]

- Tens a certeza que estava aqui alguém com um cartaz com o teu nome?
- Não tenho, mas foi o que me foi garantido pela senhora que tratou desta viagem.
[Se eu tivesse a certeza, não te estaria a perguntar por ele, pois não?]
- Como é que te chamas mesmo?... Edmund… OK… eu vou pedir que procurem pelo gajo do cartaz com o teu nome.
[Foi falar com outras pessoas. Estão com ar de que viram o tipo que eu procuro]

- Parece que já sabem onde ele está. Espera mais uns minutos.
- Eu espero…
[Praí uns dois. Ao terceiro minuto apanho um táxi porque estou a ficar sem paciência para isto]
- Vens de onde?
- Neste momento estou em trânsito, vim de Portugal.
[Mau… vem daí coisa]
- Epá, Portugal. As pessoas de Portugal têm bom coração!
- Têm sim.
[Como se tu soubesses onde fica Portugal]
- Tu também tens cara de ter bom coração…
[pronto, ele vai pedir-me dinheiro]
- …e por isso vou pedir-te que faças uma doação, qualquer quantia, qualquer moeda, para este centro de crianças orfãs. Eu sou representante das instituições de apoio e como vês estou identificado…
[…com um crachá ilegível, mas estás…]
- …e eu passo-te uma declaração para ser dedutível nos impostos.
[Estou mesmo a ver o departamento fiscal do Qatar, que é onde eu vivo, a aceitar esse papelito verde que me estás a dar para a mão…]
- Eu só tenho uma moeda de dois euros e…
[interrompendo-me]
- …dá-me antes vinte!



[ainda incrédulo]
- Ouve, vou dar-te estes dois euros e tu fazes o que quiseres com eles, contando que me encontres o gajo que me vinha buscar de limousine, OK?
- É que vou já buscá-lo! Toma, eu escrevi aqui que me tinhas dado 35 dólares. Por teres um bom coração.
[Faz todo o sentido, do ponto de vista fiscal. E do ponto de vista da caridade, também]

Não fiquei para ver se ele, de facto, tinha descoberto alguém que soubesse o meu nome. Até porque tenho a certeza que ele nem sequer voltou. Cinco segundos depois de eu ter começado a caminhar em direcção ao táxi ouviu-se um anúncio nos altifalantes: «o aeroporto de Los Angeles não apoia nem incentiva qualquer peditório feito por cidadãos. Não se sinta obrigado a contribuir». Obrigado. Obrigado por me dizerem que eu não sou obrigado.

Adiante. Não interessa. Estou hospedado em Beverly Hills e a entrada da Doheny Drive, com as palmeiras iguais às que se vêem nos filmes, é suficiente para me fazer sentir que seria capaz de viver num sítio assim. Se fosse rico. Ou charlatão. Consta que quem vive nas bonitas casas de Beverly Hills e West Hollywood não tem dinheiro para as pagar, mas os processos de fraudes e créditos por pagar são simplesmente demasiados. E demasiado morosos, também. E nada lucrativos, porque a especulação imobiliária dos últimos anos fez o preço das propriedades subir de tal maneira que agora não interessa a nenhuma instituição penhorar residências que depois ninguém vai conseguir comprar ao preço pedido. Mas é lindo. Diria quase perfeito. Longas e largas avenidas, algumas zonas perfeitas para passear a pé. Esqueçam o passeio das estrelas – elas nem sequer andam por ali. É mais fácil vê-las a correr de iPod nos ouvidos em Santa Monica ou em Malibu, ou então a jantar em Sunset Strip. Se alguém pensa vir a Los Angeles atrás das estrelas de cinema, está a cair num logro dos grandes. Elas raramente se mostram e raramente frequentam os mesmos sítios por hábito. Variam os locais e os horários, para fintarem os paparazzi. O único sítio onde é quase certo encontrá-las é em Rodeo Drive, onde estão as lojas mais caras da Califórnia. E mesmo aí, é bom que seja numa das lojas que não tem entrada pela porta dos fundos ou que não seja uma das que fecha as portas cada vez que aparece a Julia Roberts. De resto, é quase impossível. É tudo tão grande e tão extenso que é mais fácil encontrar uma amostra de sangue não-contaminada num pelotão de ciclistas. É incrível, nunca vi nada assim. Dentro da Greater Los Angeles há a cidade de Los Angeles, a cidade de Beverly Hills, a cidade de West Hollywood, Malibu, Palm Beach, Brentwood, South Beach, Long Beach, Century City, Santa Monica, Harbour City… uf…

A mais bonita é, indiscutivelmente, a de Santa Monica. Para lá chegar é preciso fazer a Santa Monica Boulevard que a Sheryl Crown canta na famosa canção. E já agora, é bom que não sigamos o conselho dela para a pecorrer «until the sun comes up over Santa Monica Boulevard», porque é mais bonito fazê-la de dia. Ainda que se comece numa ponta [em Sunset Boulevard, o sítio das prostitutas e dos travestis], às três da tarde, e se termine na outra, 15 km mais tarde e já de noite [o sol, por estas bandas, põe-se depressa. Demora uns três minutos. Vá, talvez quatro]. O trânsito é infernal, como seria de se esperar na segunda maior cidade da América, mas incrivelmente organizado e civilizado. Os franceses, amantes incondicionais de rotundas, devem ter um ataque apoplético cada vez que têm que fazer um cruzamento entre avenidas da Cidade dos Anjos. Está instituído que os carros de ambos os sentidos avançam na direcção uns dos outros e, no eixo da via, cada um vai para seu lado, evitando-se mutuamente e evitando o trânsito que avança nas restantes faixas. Sem colisões. Perfeito. E mesmo que um semáforo esteja vermelho para quem quer seguir em frente, quem quer virar à direita não tem que o respeitar, contando que não esteja nenhum outro carro a cruzar a avenida.

But enough of this traffic crap. Vamos ao que interessa: gajas. Como são as gajas de Los Angeles? Não faço ideia. Passei o tempo enfiado dentro de carros ou em aborrecidos encontros formais com pessoas de gabinetes de senadores, oficiais de justiça, advogados, juristas, jornalistas, representantes do turismo, fabricantes de tequilha, seguranças e adidos culturais. [se calhar não eram fabricantes de tequilha, mas havia dois gordinhos mexicanos naturalizados que pareciam mesmo saídos de um filme do Cantinflas] As únicas «gajas» que vi eram as respeitáveis secretárias dos administradores, cada qual com idade para serem minhas avós [eu sou novinho, ainda nem fiz 14 anos, em idade saturniana], portanto compreendem se eu subitamente sentir a tentação de não proceder a comentários sobre elas. A não ser para dizer que eram gordas.

Pois se há alguma coisa comum aos americanos da Califórnia, sejam eles coreanos ou mexicanos, é a obesidade. Na verdade, isto é comum aos americanos em geral. Em média, um yankee ingere 3600 calorias por dia. Um número simpático, tendo em conta que um cidadão adulto pode viver nas calmas com 1500 calorias por dia e o normal é não superar as 2100. Por aqui começa a fazer sentido que os americanos tenham carros grandes e vivam em casas gigantescas, porque têm que fazer caber as suas enormes barrigas em qualquer lado. E também faz algum sentido, bem vistas as coisas, que não andem a pé. Para ir a qualquer lado de Los Angeles é preciso ir de carro, porque é tudo longe de tudo. Por exemplo, eu quis ir ver as letrinhas de Hollywood de perto.

- Como é que faço para ir lá acima às colinas ao pé do Hollywood sign?
- Simples, sir. O Four Seasons tem o prazer de o convidar a ir numa das nossas limousines.
[O concierge do hotel é assim uma espécie de Jeff Bridges impecavelmente vestido de sobretudo e gravata e cartola. Mas não é actor. É só o frontman do hotel. Embora eu ache que ele gostava de ser actor]
- Mas eu queria ir a pé.
- Impossível, sir. São umas quatro milhas.
- Como assim, impossível? Eu gosto de andar a pé.
- Mas é muito longe.
- Está bem, mas e então se for apenas perto do Hollywood sign?
- Ainda serão umas três milhas.
- E não dá para ir a pé?
- Talvez. Mas terá que subir a colina a pé.
- Tudo bem, mas vale a pena? A vista é bonita?
- Nem por isso, sir. Inclusivamente nem se vê nada a esta hora da noite [eram cinco da tarde] porque as luzes estão desligadas.

Estou a ficar farto deste lugar. Vou-me embora. Espera-me uma via-sacra em réplica para passar pelo LAX outra vez. Mas desta vez, depois dos oito controles de entrada, três máquinas de raio-x, uma revista em que até me quiseram ver a cor das cuecas [o que foi extraordinário, tendo em conta que eu não uso cuecas] e mais três quilómetros e meio a andar a pé, havia ainda mais um tormento: um alarme na sala de embarque que tocou 43 minutos seguidos sem que alguém se tivesse preocupado em desligá-lo. Finalmente alguém o desligou. Ouviram-se palmas. Sinto-me aliviado por sair de um sítio assim. Mas a verdade é que estava capaz de viver por cá.
o
[breve vídeo de 20 segundos do inferno do alarme no LAX. Para verem que não estou a inventar]


Thursday, October 15, 2009

EXCLUSIVO: Maitê Proença assume identidade portuguesa e escreve num blog de maledicência

Não percebo. Juro que não percebo. Ando há anos a dizer mal dos portugueses e nunca ninguém se insurgiu contra mim. De repente aparece a Maitê Proença, actriz brasileira popularizada por ter uma das vozes/dicção mais irritantes da comunidade de Língua Portuguesa e por ter a genitália mais frequentemente retratada no cinema brasileiro dos anos 80, e cai o escândalo. E toda a gente exige um pedido de desculpas. A mim nunca ninguém exigiu um pedido de desculpas. A quem é que eu tenho que exibir a genitália para me exigirem um pedido de desculpa?

Irritado, enviei um e-mail à Maitê Proença a dizer-lhe umas verdades. A dizer-lhe que eu sei que ela é portuguesa. Que eu sei quem ela é. E que me peça desculpa pelo facto de a mim ninguém me exigir um pedido de desculpa. Isto de dizer mal dos portugueses exige dedicação, esforço e um certo nível de profissionalização. Não se admite que agora chegue uma actriz, conhecida dos dois lados do oceano, e assim sem mais nem menos me tire o emprego. Já não chegavam os brasileiros que servem nos restaurantes e os brasileiros que entregam pizzas em casa, mais os brasileiros que atendem os telefones nos call-centers, os brasileiros que fazem ponto no Conde Redondo, os brasileiros que assaltam bancos, os brasileiros que montam fios da TV Cabo, os brasileiros que fazem maus anúncios de televisão para o Pingo Doce e os brasileiros que jogam no Paços de Ferreira, agora ainda temos que levar com os brasileiros que falam mal dos portugueses. Onde é que já se viu isto?? Qualquer dia, temos brasileiros a contar anedotas sobre portugueses. Isso seria um ultraje.

A Maitêzinha já me respondeu ao e-mail e às questões que eu lhe enumerei. Dez questões firmes. Uma dezena de perguntas claramente a pôr o dedo na ferida e a exigir explicações. Aqui transcrevo as respostas:

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
On Wednesday, 14th October, Edmund wrote:
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<


Reply by Maite_proenca@uol.com.br

Caro Edmund, em resposta ao seu ímeio:

1. Eu nunca quis tirar sarro da cara dos portuga. Muito menos quis tirar de você essa atividade profissional.

2. Mil perdões, mas não tem razão de ficar embestado com isto. Gozar com portugueses não é de agora não. Já vem de longe. Há pelo menos 50 anos que toda a gente faz isso no Brasil. E já venho fazendo isso vai p'ra muito tempo. Quem sabe uns 60 anos.

3. Como você descobriu que eu sou portuguesa?? É verdade, sou sim. Em 1999 eu fiz plástica para disfarçar ruga e agora ela quebrou toda. Tou parecendo velha e portuguesa, não quero que ninguém saiba, por favor mantenha sigilo.

4. Não sei quem é esse tal de Santana Lopes que você tá falando.


5. Não creio que seja possível a gente almoçar essa semana, tou com trabalho.


6. Contracenar com Diogo Morgado foi super bacana, ele é totalmente fofinho e bom colega e excelente ator. A não ser que eu esteja confundida e você não esteja falando daquele cara espanhol e o Diogo seja aquele ator português. Nesse caso ele é um calhorda, mau carácter e um pouquinho boiolão.

7. Tou pensando voltar a posar para a Playboy sim, a grana faz falta para a plástica que vou ter que fazer para disfarçar esse rosto com que fiquei.

8. Quem é esse tal de Miguéu? Não lembro de Miguel Sousa Tavares não. Uma vez teve aqui um cara português muito inxirido que andou bisbilhotando na biblioteca, copiando coisas de livros. Ouvi dizer que ele escreveu livro em Portugal e tá sendo o maió sucesso. Dá p'ra entender. Portuga é besta, sô.


9. Olha, jantar também tá difícil, cê sabe que eu não janto. A minha refeição é a base de suplemento de vitamina, cálcio para reforçar o osso, glúton de larva de pulga e água de coco.

10. Quanto ao carnaval, olha, eu vou ficar por aqui mesmo no Brasil. Tive convite para ir no carnaval de Torres Vedras, mas nem sei em que parte da Espanha isso fica. Eles mostraram fotos p'ra mim, aquele lugar parece Baguedá depois de Sadã ter sido enforcado. Vou ficar por aqui mesmo.

Obrigado e maior beijinho, você é o maior gato Edmund

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Não apreciei as respostas e estou indignado. Assim sendo, vou revelar a identidade secreta dela. Maitê Proença é... Manuela Ferreira Leite. Fugiu para o Brasil assim que soube que o Santana Lopes queria ir a novo conselho nacional do PSD para se recandidatar à liderança do partido.

Maitê Proença, melhor dizendo, Manuela Proença Maitê da Silva Gallo Ferreira Leite, prometeu, no seu exílio em Aracajú, no estado do Sergipe, deixar de gozar com todos os portugueses, passando a gozar apenas com os portugueses que votarem em Pedro Santana Lopes. Ou em Hernâni Carvalho.

Prometeu, igualmente, passear todos os dias de manhã, junto à água do mar, em tanguinha e bikini. Também prometeu nunca mais fazer bobó. De camarão. Parece que uma vez comeu camarão estragado e agora quer evitar a gastroentrite, que é coisa para ser desagradável ao nível da tripa. Prometeu ainda enviar-me um par de havaianas, mas até agora ainda não recebi nada e estou a ficar preocupado. Prometeu voltar a Portugal unicamente no dia em que Mário Soares disser uma frase que faça nexo do princípio ao fim e, enquanto espera, vai enviar uma carta a António Lobo Antunes disponibilizando-se para ser a sua próxima namorada em terras de Vera Cruz. Que, como se sabe, é a prima brasileira do Carlos Cruz.


o

Monday, October 12, 2009

Breves notas sem critério especial nem rigor por aí além sobre as eleições autárquicas

o
Cancelaram a reunião dos piscopatas anónimos de domingo passado, de maneiras que dei comigo sozinho na barraca, em frente a uma televisão só com três canais. E os três a dar o mesmo: a cobertura das eleições autárquicas em Portugal.

Notas a reter:

- alguém devia ensinar português aos tipos que escrevem os oráculos. Em alternativa, podia contratar-se técnicos de grafismo multimédia que de facto tivessem estudado português na escola. Mesmo que tivessem chumbado. «Macário Correia já chegou sede de campanha» e «Portas aguarda para comentar escrútinio» eram erros difíceis de evitar, mas «Rio conquista maioria no Poto» e «Passos Coelho releito para Assembleia Municipal» talvez fossem evitados por qualquer ser humano com mais de sete anos de idade. Mesmo nascido no Uzbequistão.

- Valentim Loureiro voltou a ganhar em Gondomar e estou com um pressentimento que Tony Carreira será seu mandatário para toda e qualquer eleição futura, incluindo para os órgãos sociais do Boavista, do FC Gondomar, unidos do Chinquilho da Guiné, Federação dos Negociantes de Diamantes e Clube de Tuning de Fânzeres. Ficou provado, também, que Valentim Loureiro dispensa o uso de um microfone para discursar à multidão. Os seus gritos de ontem ouviram-se em Reguengos de Monsaraz.

- Santana Lopes não estava a preparar-se para ser presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Assim que percebeu que não ia vencer (deviam ser umas cinco da tarde e o gin já tinha acabado, só sobravam dois rissóis do dia anterior e um folhado de salsicha roído pelo cão), começou a preparar-se para a Meia Maratona de Lisboa. Fez o caminho entre a sede de campanha e o escritório de advogados umas trinta vezes e está em belíssima forma. Alguém devia explicar-lhe, porém, que nas maratonas não há obstáculos. É que ele insistia em fazer o caminho por detrás dos carros de exteriores e saltando vigorosamente as rampas dos camiões, com uma desenvoltura digna do Rochemback antes da picanha do pequeno-almoço. Nunca vi ser humano tão obcecado pela própria imagem. Nem o Narciso - o grego, não aquele de Gaia - gostava tanto de si próprio. O Santana foi o único candidato a assistir à revelação das projecções num sítio onde pudesse ser filmado. Provavelmente era o único a acreditar que podia ganhar. Mas devia ter sido um dos vários em que ninguém devia ter votado.

- Hernâni Carvalho ia ganhando. Decididamente, há demasiada gente em Odivelas a precisar de acompanhamento psiquiátrico.

- Elisa Ferreira ganhou o prémio de sorriso mais falsificado da noite. Deve ter treinado aquela expressão facial vezes sem conta e sempre em frente ao Pedro Abrunhosa, para se ver ao espelho nos óculos dele (é verdade, vou desmistificar um mistério: o Abrunhosa usa óculos escuros porque é estrábico. Daqueles assim mesmo BUÉ estrábico. Tipo as mamas da Ana Malhoa, uma para cada lado. OK? Não tem nada a ver com estratégias de marketing. Achei que deviam saber, só isso. Também nunca percebi o interesse do assunto. O Zé Cid usa óculos escuros há decénios e nunca ninguém quis saber porquê). Elisa Ferreira estava tão contente, mas tão contente, tão radiante, que logo a seguir àquele sorriso encantado pela forma como decorreram as eleições a seu (des)favor, anunciou que vai para Bruxelas. Até a Fátima Felgueiras se esforçou para fazer um sorriso mais honesto. O típico sorriso de quem acabou de se urinar nas calças em público e toda a gente notou.

- Em Torres Vedras ganhou Soares Miguel. Ganhou a si próprio porque o presidente já era ele. Ganhou com inteira justiça e mereceu todo e cada voto que lhe concederam. Do programa eleitoral do candidato socialista e presidente da autarquia constava apenas uma breve nota sobre a «criação do Centro das Artes do Carnaval». Extraordinário, para um município onde o carnaval tem um peso tão grande, como todos os defensores do carnaval gostam de frisar. O que representa em termos económicos, turísticos e sociais. Uma importância incrível. Uma relevância tão grande, tão histórica, tão cultural, que mereceu duas linhas no programa eleitoral do candidato mais forte e, mesmo assim, sobre um tema obsoleto e ridículo. Felizmente, há pessoas inteligentes a viver neste país dos portugueses. Duas ou três. Uma delas deu-se ao trabalho de escrever isto num blog. Não sei quem é, nem o que faz, nem para quem trabalha, nem sequer se é de Torres Vedras. Mas desço do meu suporte básico de vida e faço-lhe uma vénia, considerando-me, a partir de hoje, seu admirador.

- Alguém devia arranjar uma cadeira mais larga para Pacheco Pereira. O conhecido comentador social-democrata é daqueles cidadãos obesos que, quando exulta a sua soberba e quase cai da cadeira, quase cai para os dois lados.

- Seguindo a mesma linha de raciocínio (inventada por um colega meu que é copeiro num bar de strip, porque eu não sei raciocinar), alguém devia arranjar uma almofada dupla para a cadeira do Marques Mendes. Mesmo estando numa cadeira extensível em altura, puxada no máximo para cima, continua a parecer pequeno.

- Ninguém se concentra no que o Pacheco Pereira está a tentar dizer depois de ver as pernas da Clara de Sousa.

- Ninguém leva a sério um pivot de uma noite eleitoral se ele tiver a barba de adolescente garanhão do Rodrigo Guedes de Carvalho. Seria o mesmo que o Mário Crespo de rabo-de-cavalo e t-shirt cava justinha ao peito ou a Ana Lourenço de tranças e traje colegial. Se bem que me agrada mais a segunda ideia do que a primeira.

- A ideia da RTP tentar passar a imagem ultra-tecnológica dos pivots a comandar a emissão a partir de uns mega touch-screens não resultou lá muito bem. Toda a gente percebeu que havia descoordenação entre o toque no ecrã e o gajo que estava na régie a comandar as operações.

- Ver o Pedro Pinto como coordenador de uma emissão especial sobre eleições é mais ou menos o mesmo que ver o Rui Unas a coordernar o Prós e Contras sobre o referendo ao aborto. Aquilo não cola. E como a TVI voltou a levar uma grande tareia nas audiências, a próxima noite eleitoral vai ser apresentada pela Júlia Pinheiro e pelo Manuel Luís Goucha.

- Quem teve a ideia de colocar Miranda Calha como coordenador autárquico do PS devia passar três dias a arrancar os outdoors de campanha com os dentes. E quem teve a ideia de o deixar discursar para as televisões devia estar a escrever guiões para programas do Baby TV. Ou dos novos canais ZON-zen. Miranda Calha aparece e os jornalistas não prestam atenção ao que ele está a dizer. É uma risota pegada. O Guiness está a investigá-lo para recordista mundial de tiques.

- Como sempre, em qualquer eleição, nunca ninguém perde. Tenho pena de não ter apanhado nenhuma declaração pública de Manuel Monteiro nas últimas três semanas. Tenho a certeza que nem ele seria derrotado. A CDU perdeu várias autarquias e, mesmo assim, diz que reforçou a sua posição naquelas que manteve. E queixa-se que as pessoas que não votaram na CDU não o fizeram porque foram atrás das ideias de direita do PS. Os comunistas gostam de ideais de direita? Não sabia. Francisco Louçã fez uma declaração pública em que parecia - por momentos cheguei a pôr o aparelho auditivo no máximo porque pensava que era desta - que ia admitir a derrota. Mas não. Disse apenas que ia mencionar um objectivo que o BE não tinha conseguido atingir e, sem dar por isso, mencionou dois de seguida. E no imediato lançou-se a dizer que era uma grande vitória a manutenção da única câmara municipal que já tinham.

- Maldita ZON TV Cabo. Se não fosse pela incompetência de quem ali trabalha, não teria sido obrigado a passar por tudo isto.

- Peço desculpa. As notas não são tão breves quanto isso

o

Friday, October 09, 2009

Socorro. Torres Vedras inteira quer matar-me e eu já me comprometi a discursar numa convenção de filatelia esta noite e não me dá jeito morrer agora


Parece incrível. Até eu fico (mais) parvo (ainda) com isto.

Este post continua a dar que falar. De tal maneira, que estou tentado a reeditá-lo, mudando uma ou duas palavras para o tornar ainda mais ofensivo, voltando a pô-lo aqui logo na frontpage.

Toda a gente em Torres Vedras me quer ver morto. Só porque eu digo que o carnaval de Torres Vedras é estúpido. E digo outra vez: o carnaval de Torres Vedras é estúpido. E o Luís Delgado também. E não consta que o Luís Delgado me queira matar, ao contrário do carnaval de Torres Vedras, que me quer ver sete palmos debaixo da terra.

O carnaval de Torres Vedras é estúpido. Será que recebo um prémio por dizê-lo num número de vezes recorde?

Caros amigos de Torres Vedras: se me querem matar, por favor façam-no ordeiramente e aguardem a vossa vez, porque há uma fila enorme à espera. O Carlos Castro, o Nuno Eiró e o Santana Lopes são os primeiros da fila e estão à espera há imenso tempo. E eu tenho vida que chegue para toda a gente matar, mas não pode ser assim tudo ao mesmo tempo, senão dá confusão. E nem eu morro, nem vocês almoçam. Pode ser?

O carnaval de Torres Vedras é estúpido. Por nenhum motivo especial que não seja ser genuinamente estúpido. E talvez, também, por ter gente estúpida a defendê-lo.
o

Thursday, October 08, 2009

Toda a parvoíce é profissional, com excepção da que é involuntária

Há pessoas que são parvas por convicção. São-no e sabem-no e usam-no em seu próprio capital. Vasco Pulido Valente, por exemplo. Esforça-se para ser parvo como é, para continuar a ter para onde vomitar o seu ódio. Camilo Lourenço, outro excelente exemplo: passa a ideia que é um parvo que aprendeu Economia às próprias custas, que a vida o ensinou, que a experiência lhe deu tudo o que sabe. Quando, na verdade, toda a gente sabe que ele não sabe nada do que diz e escreve. António Tadeia e Luis Sobral: dois comentadores de futebol que são muito parvos, porque isso é importante para manter o emprego. Se as pessoas soubessem que eles nunca puseram o cú num campo de futebol nem nunca apanharam pé-de-atleta num balneário, percebiam que eles não dizem nada de jeito simplesmente porque não percebem nada do que estão a fazer. São os parvos profissionais, os que exercem parvoíce e passam recibo. Como João Malheiro. Ou a Maya. Ou aquele moço de tamanho diminuto que apresenta um programa que tem «pastéis de nata» no nome e apanhou Gripe A. Ou o Fernando Girão. Ou o José Cid.
O Luís Delgado não conta. Não entra nestas contas por não ser parvo. Luis Delgado é simplesmente estúpido.

Mas há pessoas que são parvas de modo involuntário. Veja-se Hernâni Carvalho. O momento mais marcante da sua existência foi ficar refém num abrigo em Dili e os timorenses a morrer à sua volta. Conseguiu regressar, infelizmente. Deu entrevistas na televisão, nem uma lágrima verteu, pese embora os relatos horríficos da chacina que presenciou. Austero, inabalável, a seguir dedicou-se aos casos impossíveis. O da menina que desapareceu no Algarve. Caso duro. Caso misterioso. Caso mórbido. Um caso do Carvalho. Só ele sabe onde ela está, o Gonçalo Amaral que tire o cavalinho da chuva. E hoje, Hernâni continua a ser um homem de causas. Por causa disso, candidatou-se à Câmara Municipal de Odivelas, talvez com a promessa eleitoral de fomentar o turismo entre casais swingers do Reino Unido. Odivelas precisa de mediatismo. Odivelas para o mundo. Odivelas na blogosfera. Odivelas rumo a Marte. Odivelas incandescente.

Eu não sou candidato a nenhuma autarquia. Mas prometo - é a minha promessa eleitoral - deixar de falar a todas as pessoas que descobrir que vão votar em Hernâni Carvalho. E eu sei que elas agradecem.

Dito isto, é preciso fazer uma ressalva. Eu não sou parvo por convicção nem parvo porque calhou. Sou parvo porque é muito divertido ser.


- A minha colega acabou de comentar comigo: «o Joaquim de Almeida diz que a Kim Bassinger acabava as cenas de nudez e imediatamente se enrolava no robe».
- Eu percebi: «o Joaquim de Almeida diz que a Kim Bassinger acabava as cenas de nudez e imediatamente se limpava no rabo»


Percebem como é divertido?

Friday, May 15, 2009

Os austríacos têm PH neutro e odeiam alemães*


*o que, a meu ver, me parece uma excelente ideia.

É incrível como a Áustria e a Suíça se confundem em quase tudo: é tudo arrumadinho e limpinho, faz um frio de rachar no Inverno, há demasiados sítios onde se fala alemão (bom, no caso da Áustria, na totalidade deles) e aquela estúpida mania da neutralidade faz-nos ter vontade de lhes arrancar o sorriso da cara com uma ventosa de canalizador. Na Áustria, esta questão da neutralidade é ainda mais irritante, porque está prevista na constituição e, ao que parece, os senhores foram claros o suficiente para escrever um parágrafo a dizer que querem ser neutros para sempre. Mesmo que nasça outro cidadão baixinho e de bigode ridículo.

O que irrita, especialmente, no caso dos austríacos, é que eles têm um ar simpático e tudo aquilo faz sentido. São neutros porquê?, nem eles sabem. São e pronto. Têm um exército e serviço militar obrigatório, mas não sabem para quê (conheço outro sítio na Europa onde já foi assim…). E segundo me explicou um austríaco de gema (nascido em Berlim, portanto), a principal função dos militares austríacos, hoje em dia, é dar assistência aos guardas-fronteiriços. «Para impedir os húngaros de entrar?!», pergunto eu, com o ar aterrorizado de quem nunca leu uma linha sobre História Contemporânea: «não, isso da cortina de ferro já não existe, sixas! [‘sixas’? Eu já te disse como é que me chamo, porque é que me estás a chamar ‘sixas’?? Que panasquice é essa?? Conheces-me há cinco minutos e já estás com intimidades??] Ajudam os guardas da fronteira a impedir a entrada de imigrantes ilegais, é para isso que eles servem!». Ahhh… Quer dizer, vai dar ao mesmo: os austríacos são neutros e não querem mal a ninguém, mas há um Paulo Portas entre eles que é de extrema-direita e não grama dos estrangeiros. E nesse grupo, inclui-se os húngaros. Patético.

No fundo, no fundo, eu preciso encontrar um motivo para embirrar com estes tipos. O idiota tratou-me por ‘sixas’ e já me parece razão suficiente para arranjar confusão e propor um duelo de fisgas. Mas, afinal, ‘sixas’ é apenas uma forma comum de um austríaco dizer ‘tás-a-ver?’. Bolas… ainda não é desta. Insisto na questão da neutralidade, então: «ouve… eu não queria tocar neste assunto, porque é delicado e é do tempo dos meus pais, mas aqui vai…» – diz-me ele com ar sério – «primeiro foram os estúpidos dos alemães, depois foram os soviéticos, toda a gente queria um bocadinho da Áustria no século passado. Vieram para cá os ingleses, os americanos e os franceses e obrigaram-nos a assinar um compromisso de neutralidade para se irem embora daqui e para nos deixarem a salvo dos russos e dos húngaros. Sixas?» OK, deixa-me cá ver se eu percebi isto bem: os austríacos são neutros porque os alemães os meteram nas guerras sem eles pedirem e ainda os deixaram, depois, entregues aos soviéticos e aos húngaros e tiveram que ser os americanos a salvá-los. Portanto, a culpa é dos alemães. Portanto, os austríacos dizem «somos neutros», mas no fundo deviam dizer «somos-neutros-e-não-odiamos-ninguém-a-não-ser-que-sejam-alemães». De um momento para o outro perdi a vontade de embirrar com eles. Eu também me solidarizo nessa missão de achar os alemães parvos.

Salzburgo é uma cidade tão bonita que quase não se dá por ela. O centro está cheio de edifícios barrocos a espreitar para o rio, misturados com edifícios modernos e inteligentemente proporcionados. Dá vontade de não mexer em nada, não vá partir-se alguma coisa. Os arredores são ainda mais bonitos, com montanhas mais altas que qualquer Serra da Estrela, cabines de desportos de Inverno por todo o lado e casas de madeira, espaçosas, quadradas e de grandes telhados negros. Tudo limpo e arrumadinho, como se a empregada tivesse vindo trabalhar nessa manhã. Há uns lagos fantásticos, a perder de vista, suportando as montanhas de um lado e de outro. E a mim, que sou fino, hospedaram-me num hotel que é um castelo. Tão incrível e inacessível que não se chega lá de carro – levam-me numa lancha rápida, um passeio lindo e agradável que só não é mais lindo e mais agradável porque o frio corta-me os beiços como se estivesse a enfiar a cara num balde de gelo. Entra-se por um jardim que mais parece uma plateia para a Áustria inteira, depois passa-se por um túnel feito nas entranhas da rocha cujo caminho está marcado por velas e tochas e, quando já começava a imaginar uma recepção cheia de teias de aranha, com mobiliário antigo e morcegos a esvoaçar de um lado para o outro, dou com uma comissão de boas-vindas num moderno e impecavelmente remodelado lobby, cheio de mobiliário envidraçado e criativo.

Primeira inevitável curiosidade: quantos pedaços da minha biologia eu teria que entregar ao cozinheiro para pagar tão-somente cinco minutos de estadia naquele sítio? Nada. Procurei por todo o lado, não há uma única tabela de preços. Nem a Stiegl fresquinha que eu pedi no bar me deixaram pagar. «Isto é tudo negociado a priori», diz o relações públicas daquele espaço: «herr Didi não gosta de conversas sobre dinheiro. Não há uma única caixa registadora no hotel e todo o dinheiro que vais encontrar por aqui há-de estar nos bolsos de alguém».

Convém explicar: «herr Didi» é Dietriech Mateschitz, dono de uma bebida chamada Red Bull (bom, tecnicamente, não é assim dono, dono, dono… tem 49% do capital, mas é ele que tomas as decisões todas), multi-milionário, um boémio que não bebe nem fuma, mas anda sempre rodeado de mulheres que nem o Briatore conseguiu conhecer. Tem tanto dinheiro que é dono de mais de metade da cidade de Salzburgo, mas vive numa ilha das Fiji que comprou à família Forbes por 10 milhões de euros (e vai para lá de avião e é ele que «conduz»). Metade do aeroporto de Salzburgo é dele e inclui uma exposição de alguns dos aviões acrobáticos da Air Race (da Red Bull), carros de Fórmula 1 (da Red Bull) e o mais impecavelmente restaurado Piper Super Club que eu já vi (que não é da Red Bull, é dele mesmo, e ao que parece gosta de andar a passear com ele). Tem um hangar só para ele, onde está a reconstruir, pelo menos, um DC-3 e um Caravelle (e eu só consegui ver estes dois). O clube Casino de Salzburgo é dele e agora chama-se, vá-se lá entender porquê, «Red Bull Salzburgo». E a montanha do lado de lá de um dos 185 lagos da região é dele, precisamente aquela que tem oito castelos todos reconstruídos, que servem agora de hospedagem de luxo para individuais ou grupos. Negoceia à distância por antecipação e os preços a pagar incluem tudo, mesmo tudo, o que é serviço do hotel: cama, mesa, bar, piscina, spa, transporte, manicure, vernissage, patisserie, e outras porcarias em estrangeiro. O que é que faz num sítio como este um gajo como eu, que não tem dinheiro nem para mandar cantar o ceguinho do metro das Laranjeiras? É uma boa pergunta, mas que vão ter que a colocar aos senhores que me levaram até lá.

O hotel/castelo é gigantesco e o meu quarto é, obviamente e como manda a tradição, o último e mais longínquo do hotel. Quando saí do quarto para jantar, perdi-me três vezes nos corredores e parei a meio para tomar um aperitivo. Por duas vezes tinha a certeza do caminho e acabei na lavandaria. E ao jantar, ao qual consegui chegar 55 minutos depois de ter fechado a porta do quarto, reencontrei, finalmente, o meu interlocutor da hora do almoço.


- «Onde andaste, pá?»
- «A ver as vistas», disse eu, sem dar parte fraca. «Isto é lindo, o que é que há para não gostar num sítio como este?»
- «Hum… está sempre a chover.»
- «Sempre?!»
- «Quer dizer… quando não está a chover, está a nevar. Bom é lá para os vossos lados, onde está sempre sol.»

Bom, primeiro que tudo, tu não fazes ideia de onde eu venho, por isso, faz o favor de não me misturar com a horda de espanhóis que está aí ao teu lado a falar alto, a comer com as mãos e a cuspir perdigotos. Segundo, peço desculpa mas eu não trocava isto por um país cheio de sol. Aqui estamos na 10ª melhor economia do mundo, o PIB da Áustria não pára de crescer desde os anos 90 e é tudo tão organizadinho que parece a Suíça, mas para melhor.

- «Sabes…», diz ele enquanto lambe a espuma da cerveja do lábio superior, «isso é tudo muito bonito, mas não és tu que tens que passar a vida a ouvir a aturar os alemães, nem os turistas idiotas que aqui vêem à procura de sinais do Adolf».
- «O Adolfo… pois é, o tal que era assim meio abichanado e que levava porrada do pai quando era pequeno… nasceu por estes lados, não foi?»
- «Se andares 60 km para norte dás com a casa dele, em Braunau. É fácil reconhecer, mesmo à porta tem uma lápide colocada pelos austríacos que foi feita a partir da pedra de um campo de concentração, onde se faz um apelo do tipo ‘fascismo nunca mais’, mas que hoje está completamente vandalizada e pintada com suásticas pelos estúpidos dos neo-nazis alemães que aqui vêm em peregrinação».
- «Deixa lá… eu do Adolfo só gosto de me lembrar que um dia se matou, a ele e à Eva, cheio de medo de ser capturado pelos soviéticos, num bunker, em Berlim», tentei rematar, com uma gargalhada tão idiota que até a mim me assustou.
- «Pois… nós também…»

o

Monday, April 20, 2009

Dubrovnik é mais bonito que Sintra e dá para andar de T-shirt e calções

Sintra tem palácios e castelos e muralhas e coisas antigas e bonitas. Dubrovnik também. Sintra é património da UNESCO. Dubrovnik também. Sintra é bonita. Dubrovnik também. Em Sintra chove e faz frio. Em Dubrovnik não.

Sintra fica à beira do Atlântico e das suas águas frias e agitadas. Dubrovnik e as suas ilhotas adjacentes encavalitam-se no Adriático e têm águas quentinhas e mais sossegadas que um cadáver durante a autópsia.

À chegada a Dubrovnik somos recebidos com as boas-vindas numa língua que ninguém entende: «Dobrodošli na Hrvatsku». Não podia faltar, obviamente, aquele éssezinho irritante com um chapéu virado ao contrário. O mesmo que usam para pintar no chão antes das escolas primárias, para avisar o condutor para a proximidade de uma «škola». E, surpresa das surpresas, um magnífico slogan em inglês faz-nos saber que a Croácia é «o Mediterrâneo como um dia já foi». Uau, fantástico! Verdadeiramente surpreendente, tendo em conta que a Croácia é banhada pelo mar Adriático! (vá, vá, eu sei, o Adriático é parte do Mar Mediterrâneo, mas, que querem?, deu-me vontade de baralhar as referências… eu nasci na Papua e sempre me disseram que afinal era a Nova Guiné… não que eu alguma vez tivesse conhecido a Antiga Guiné…)

A única palavra relativamente perceptível na língua desta gente é «Torcida». É o nome que tem a claque de apoio do Hajduk Split, clube de futebol quase centenário de uma cidade que fica mais a norte e que tem uma impressionante milícia de apoiantes por estas bandas. Desde 1950 que a Torcida se chama «Torcida», essa palavra genuinamente croata.

Dubrovnik é um sítio tão bonito que dá vontade de meter no bolso e levar para casa. Ou então de convencer o comendador Berardo a dar aqui um saltinho para negociar uma troca: nós ficamos com Dubrovnik, os croatas ficam com Sintra, o Fernando Seara, o hospital Fernando da Fonseca, o Cacém, Massamá, o IC19, o Cabo da Roca e uma série de terreolas com nomes lindíssimos como Abrunheira, Ranholas, Algueirão, Pêro Pinheiro, Arrentela, Rinchoa, Fitares, São Pedro de Penaferrim, São João das Lampas, Magoito e Monte Abraão. Pronto, eu sei, a Arrentela fica no concelho do Seixal, mas, bolas, que mal fazia dar-lhes o Seixal como presente nesta operação de charme? E no fim das contas eles que não se queixem porque ficam claramente a ganhar – toda a gente sonha, um dia, poder viver numa terra que tem uma rotunda do Ramalhão, a Casa do Preto e as queijadas e os travesseiros. E passeios de charretes puxadas por cavalos que fazem muito cocó no chão (para quando uma lei que obrigue os donos dos cavalos a apanhar as bostas que eles fazem no chão? Isso é que era de coragem).

Dubrovnik é um local de gente doida que se veste aos quadradinhos da cabeça aos pés. (Uma questão: quadradinhos vermelhos sobre fundo branco dá quadradinhos vermelhos-e-brancos? Se sim, quais foram pintados primeiro?, os vermelhos sobre o branco ou os brancos sobre o vermelho? Se não, então por que raio se diz que o F.C. Porto equipa às riscas azuis-e-brancas?). Até as crianças, pobres crianças, andam na rua vestidas como o Boavista debotado. Mas é, na verdade, um sítio tão bonito que dá vontade de visitar e nunca mais parar, motivo pelo qual eu ainda aqui estou e não me apetece ir embora. Alguém fez a maldade de contratar uma visita guiada ao centro histórico e eu lá fui, claro, sob a ameaça de ser vendido como escravo para satisfação pessoal dos netos do Slobodan Milošević.

«O centro histórico» – começou por explicar a senhora, com o seu magnífico sotaque de quem esteve pelo menos três vezes em Alfeizerão, debaixo de um reluzente bigode arranjadinho, enquanto apontava para uma planta da cidade – «foi uma das partes de Dubrovnik mais fustigada pela artilharia durante a guerra». Qual guerra? Mas como é que alguém, algum dia, se lembrou de fazer guerras num sítio como este, onde só apetece mergulhar no mar e nadar sem parar até conhecer, uma-por-uma, todas as ilhas do istmo? Pelos vistos houve quem se tivesse lembrado e não foram poucos.

Aparentemente houve aqui uma guerra no início dos anos 90. Não sei como, escapou-me. Não dei por ela. Se calhar porque na altura eu estava a viver como um ermita juntamente com os pandas neo-zelandeses numa gruta das florestas de Hamilton e, como tal, não havia televisão. Mas houve aqui guerra. Dubrovnik forma uma península que é, no fundo, um enclave entre a Bósnia Herzegovina e o Montenegro (que fica do lado de lá de uns montes que são bem branquinhos, mas tudo bem). Como na altura toda a gente queria ser independente da federação jugoslava (incluindo os próprios sérvios, se bem que nunca admitiram), a Sérvia, dirigida por essa simpática e bondosa figura de seu nome Slobodan Milošević, pediu aos amiguinhos montenegrinos, chefiados pelo Momir Bulatović, que avisassem os habitantes de Dubrovnik para tirar o cavalinho da chuva, porque a cidade é um ponto de comércio demasiado importante para fugir às mãos dos gananciosos. Como os croatas lhes fizeram um manguito que deixaria orgulhoso o Jesualdo Ferreira, vai daí os sérvios mandaram o exército popular da Jugoslávia (sérvio, basicamente) disparar contra tudo o que mexesse.

Os sérvios, gente perfeitamente plural e justa, com um profundo conhecimento de estratégia militar, escolheram minuciosamente os seus alvos: centenas de obuses atingiram as muralhas da cidade, que, sendo medieval e bem construída, resistiu a tudo; um barco de pesca atracado na marina ficou feito em cacos, atingido por quatro projécteis de artilharia marítima, certamente porque os anzóis e as redes que tinha a bordo eram perigosíssimo material bélico; um MIG-21 sobrevoou dois pares de vezes uma irrequieta cruz de pedra situada no topo das montanhas adjacentes… e de todas as vezes que disparou, falhou rotundamente, de modo que o ostensivo símbolo católico lá continua a servir de provocação; o topo do edifício que hoje serve de hotel Hilton Imperial foi atingido e incendiado, uma decisão extremamente inteligente tendo em conta que, nessa altura, o prédio estava em reconstrução e não havia lá ninguém.

Nem tudo foi assim, perfeitamente ridículo. Infelizmente, houve coisas mais sérias e uns quantos civis foram mortos, se bem que nessa altura era difícil usar a palavra «civil», porque basicamente todos os habitantes de Dubrovnik, das senhoras da lota aos residentes do centro de dia, empunhavam uma AK-47 para repelir o opressor.

Mas há que dar um abraço de solidariedade a esta gente de Dubronvik, sabem? Resistem a tudo. Nem sequer havia um exército na cidade, e no entanto repeliram o inimigo. No século XVII resistiram ao Napoleão e às três mil balas de canhão que foram disparadas contra a cidade. Em 1667 houve um terramoto, mas resistiu toda a gente com excepção dos cinco mil que morreram. E, mais incrível que isto tudo, em 1545 a cidade resistiu, com enorme coragem e determinação, ao calvário de ter que acolher centenas e centenas de judeus refugiados de Portugal e Espanha. Se já é difícil lidar com judeus, imagine com judeus que são espanhóis. Que inferno…

A guia turística lá prosseguiu a sua prelecção sobre os acontecimentos da guerra, o sítio onde as bombas caíram e o espectáculo que foram os croatas, tanto os que se defenderam do inimigo com facas de cozinha, fisgas, inoculadores de asma e borrifadores de Ajax multisuperfícies, mas também os que depois reconstruíram a cidade antiga tal-e-qual como ela era, de maneira que hoje está tudo intacto, lindo, impecável, perfeito para agradar aos senhores da UNESCO. Fico tão impressionado com a reconstrução que:
1) desconfio que não houve guerra nenhuma e alguém me está a tentar enganar;
2) o governo grego devia fazer uma visitinha a estes senhores para perceber como pode ter as obras de restauro do Parthénon prontas antes da vindima;


Uma das formas mais divertidas e originais que os dubrovniquianos (ou dubrovniquenses? Ou dubrovnicos, simplesmente?) encontraram para colorir o processo de reconstrução da cidade foi pintar símbolos do Hajduk Split por todo o lado. O quartel dos bombeiros tem um (gigante), o posto dos correios também e as casinhas que servem de albergue às caixas ATM têm vermelho aos quadradinhos e faixas azul-e-vermelho a identificar a tal «Torcida». Cheguei a pensar que o Hajduk Split era, também, uma cadeia de bancos.

Vale a pena vir a Dubrovnik e ficar por aqui. Engolir golfadas de ar puro e gastar os olhos com o reflexo do sol nas águas do Adriático. Mergulhar os braços e apanhar ouriços-do-mar. Comer um gelado na esplanada do centro histórico, enquanto pensamos por que raio a porta de entrada se chamará «Pila». Não existem charretes como em Sintra, mas, vendo pelo lado positivo, não precisamos de trazer a gabardine nem andar sempre a olhar para o chão para evitar pisar cocó.
o

Wednesday, April 08, 2009

Eu cá gosto quando me servem uma cerveja que é mais alta que a Carolina Patrocínio

Munique é aquela cidade famosa na Alemanha.

Famosa por causa daquele clube que tem uma estranha predilecção de esmagar os clubes de futebol de Lisboa com festivais de golos (sim, sim, ou os benfiquistas têm memória curta e esquecem-se que também já sucumbiram aos pés do «Kataklinsmann»?), famosa por ter a sede de uma das marcas de automóveis preferidas dos construtores civis e famosa por ter uns santos populares em Outubro em que dezenas de canecas de cerveja se enfiam teimosamente em generosos braços de senhoras de tranças e bigodes maiores que o meu.

Infelizmente, Munique é também uma cidade famosa por estar cheia de alemães. Isto até podia nem ser um problema, se os alemães cheirassem bem, se não tivessem a desagradável tentação de comprar as roupas com as cores mais bizarras que encontram e se falassem uma língua minimamente compreensível. O meu conhecimento do idioma deles é limitado. De resto, o meu conhecimento de qualquer idioma que seja é limitado a um nível próximo da inutilidade. Estas palavras só estão neste blogue porque me emprestaram uma máquina que converte aquilo que eu grunho em palavras escritas. E, mesmo assim, de quinze em quinze segundos dá um apito irritante e diz: [imaginar voz de robot] «beeeeeeepppp! essa palavra não existe!» [parar de imaginar voz de robot]

O que eu sei de língua alemã chega para muito pouco: «guten morgen», para dar a ideia que estou feliz porque está uma linda manhã, mesmo quando é de noite; «danke schön», para parecer educado e inteligente; «auf wiedersehen», que uso com frequência sempre que pressinto que vou conseguir sair rapidamente daquele país; e «eine bier, bitte», a expressão mais importante de todas, que quando corre bem tem como resultado prático porem-me uma cerveja à frente dos beiços. Da última vez que usei esta frase fiquei extraordinariamente feliz: primeiro, porque a menina a quem eu pedi a cerveja - que parecia o maestro Vitorino de Almeida vestido de padeira austríaca - percebeu à primeira e até sorriu; e, segundo, porque esta foi a primeira vez em 7432 idas a Munique em que não estava a chover torrencialmente ou a nevar. E olhem que eu já tentei ir em Agosto e, mesmo assim, choveu durante 72 horas. Ininterruptamente.

Eis que chega, então, uma cerveja. Fresquíssima, com borbulhas lindas, com um grande bigode de espuma e muito loira. Parecia quase a Marisa Cruz. E parecia, sobretudo, porque era grande, muito grande. E estava dentro do maior copo de imperial que eu já vi na vida. Uma cerveja que, na sua esplendorosa totalidade, era mais alta que a Carolina Patrocínio*. Fantástico. Era mesmo o que me estava a apetecer, porque, na verdade, não há mais nada de jeito para fazer em Munique.

* - é que eu já estive ao lado da Carolina Patrocíno. Quer dizer... disseram-me que tinha estado ao lado dela. É que eu espreitei, espreitei, olhei para baixo, mas ela é tão pequenina que ficou tapada pelos meus joelhos. Mas dizem que tem um rabinho, ui, ui...

Quando me disseram que alguém estava a combinar uma visita ao centro histórico da cidade, acompanhado de guia turístico, torci o nariz. Torci o nariz, porque nesse momento estava a tentar enfiar toda a minha cabeça biónica dentro do copo de cerveja e o meu nariz, que é feito numa mistura de carbono e kevlar, estava todo torto. E depois porque não me parecia uma boa ideia trocar as melhores loiras que eu já vi na vida por um passeio numa cidade alemã. Todavia, sob a ameaça de divulgação às autoridades da minha posição geográfica no planeta** e a ameaça de porrada, lá tive que engolir a pilsner à pressa e ir com o resto da manada.

** - para quem não sabe, eu ando foragido à justiça desde que roubei uma arca com beringelas de ouro maciço em Vanuatu. Fui interceptado quando tentava trocá-las por discos do António Variações na casa do Benfica do Luxemburgo, mas consegui fugir pela porta dos fundos com a conivência do polícia de serviço, que foi meu companheiro de beliche durante a invasão de Samarkanda.

À frente de uma guia turística juntou-se um numeroso grupo de pessoas. Dois americanos, uma dinamarquesa, cento-e-oitenta-e-três japoneses e uns dois ou três espanhóis. Os espanhóis perderam-se ao final de duas esquinas, felizmente. Os japoneses fizeram o trajecto todo, infelizmente. A guia turística era uma simpatia e falava inglês. Tinha uma voz quase tão irritante como a daquela moça que apresenta um programa de TV com o Goucha, mas era, na verdade, muito simpática. Tinha uns óculos que a faziam ter um ar inteligente. Unhas pintadas, bem arranjadas. Camisa de seda impecavelmente passada. Manchas de suor nos sovacos como se fosse o Camacho. No fim, recebeu palmas dos japoneses e ficou emocionada. Ao meu lado estava uma japonesa que não parava de rir. Formosa, fofa. Com sorriso singelo, fofo. Tinha um cabelo preto, longo, bonito, fofo. Afinal, era um japonês. Fofo.

Um dos pontos altos da visita guiada à cidade é ficar uns minutos - algures entre dois e três minutos, o que para mim é uma eternidade - à frente do edifício da antiga catedral à espera que bata as quatro da tarde para se ver um espectáculo inolvidável. Uns bonequinhos mais ou menos apessoados andam para a frente e para trás, batem com as canecas umas nas outras e fingem que estão a dançar, ao som de uma cacofónica melodia dos sinos. Miserável espectáculo e milhares de pessoas a ver. E a bater palmas. Quer dizer, os japoneses batiam palmas. A tudo, basicamente.

Uma das japonesas sentiu-se mal e deu-lhe assim um fanico tipo desmaio. A guia turística, acompanhada da sua voz perturbante para qualquer sistema nervoso, acudiu, abanou uma tímida brisa de ar com a mão direita e exclamou «desculpem! É que estamos a atravessar uma vaga de calor!». Amiga... olha bem para mim: estou de casaco e cachecol. Não calcei as luvas por vergonha, mas fiz questão de colocar dois pares de meias entre os pés e os sapatos. Estão 11 graus. Em nenhum lugar do mundo com excepção da Gronelândia, do Alasca e da Serra de Sintra esta temperatura se qualificaria como «vaga de calor». E no entanto, os muniquenses (ou serão «municos»? ou «muníacos»? ou «muniscos»?) andam na rua como se alguém tivesse rebocado o calor das Bahamas até ao sul da Alemanha. Como quase toda a gente anda de bicicleta, é ver os rapazes de calção e chinela, as meninas de mini-saia e tops com quase tudo de fora, os rapazes que são meninas também de top mas numas cores assim rosa-choc e verde fluorescente e flores no cabelo e fitas com arco-íris e tudo muito gay, muito gay.

O melhor de Munique foi o que descobri, sem querer, enquanto andava perdido a tentar encontrar o Schweinsteigger para lhe dar com uma cadeira no focinho. A uma meia hora de caminho do centro de Munique (45 minutos, se for um Fiat, uma hora e dez, se for de pasteleira, duas horas e meia, se for a pé) fica um memorial. Mais concretamente, um memorial sobre o Holocausto, feito a partir do campo de concentração de Dachau. Isto é, o campo de concentração propriamente dito, transformado num museu, que todos podem visitar. Eu decidi visitar e, como bom parvo que sou, entrei cheio de moral e a fazer piadinhas parvas sobre judeus, férias e hotéis de cinco estrelas. Bastaram cinco minutos lá dentro para perder a vontade de rir e 40 minutos de visita, com passagem pelas câmaras de gás (que foram mantidas intactas, mas sem bicos de gás), para ficar mais enjoado do que se tivesse comido favas à transmontana.

Peço desculpa pelo teor sério destas últimas linhas, mas é que aquele sítio impressiona mesmo. Demorei uns quatro minutos a recompor-me. O memorial de Dachau é a prova de que os alemães, apesar de tudo, não têm vergonha do passado, pelo menos não o suficiente para se esconderem e assobiarem para o lado a fingir que não foi nada com eles. Também não têm orgulho nisso e, sempre que podem, evitam falar no Holocausto. Mas sabem o que os antepassados andaram a fazer e alguns deles lamentam que tenha sido assim.

Só por causa disso, tiro-lhes o meu chapéu. Mas a seguir ponho-o logo na cabeça outra vez, que está frio...
o

Thursday, March 12, 2009

Na Suíça há queijo com buracos, chocolates e gente a falar línguas esquisitas, incluindo português


A Suíça é bem capaz de ser o país mais arranjadinho da Europa. Quase tão arrumadinho como a Áustria, um pouco menos arranjadinho que a Brandoa e tão limpinho como uma praia brasileira às sete da manhã. Aliás, a limpeza é sílaba tónica: dá a ideia que, se alguém deitar um papel de rebuçado para o chão, aparece logo alguém atrás a limpar. De tal modo que um cidadão suíço teria um colapso cardíaco se fosse a Torres Vedras a seguir ao carnaval e visse a quantidade de porcaria que fica espalhada no chão.

Mas há uma suspeita curiosa: os suíços, se calhar, não existem. Os suíços que vivem na Suíça são, essencialmente, franceses, alemães ou italianos. Nada mais ridículo para uma nação soberana eternamente elogiada pela sua irritante neutralidade. Conheci vários cidadãos com passaporte suíço: um que era francês, mas tinha negócios na Suíça; outro que era inglês, mas trabalhava na Suíça; outro que era suíço, mas vivia em França. Porquê? Porque o custo de vida para lá da porta de Anemasse, que faz a fronteira entre a periferia de Genebra e uma França muito rural, é bem menor do que viver nos limites urbanos. Paga-se metade do preço do aluguer das casas e ainda se consegue ter uma vivenda em madeira pré-fabricada. E além disso, chegar ao centro da cidade para ir trabalhar demora uns 20 minutos, porque a Suíça pode muito bem ser do tamanho de um dedal, mas tem um sistema de transportes públicos extraordinário.*

* a sério que tem. Para ir para qualquer lado apanha-se um «tram», que no fundo é a versão eficiente dos eléctricos de Lisboa, ou então um comboio. São rápidos e silenciosos, são confortáveis, aclimatizados e há sempre lugar para sentar, mesmo estando cheios de gente cujas conversas não entendo. E nunca se apanha um revisor a clicar irritantemente o obliterador. Em qualquer um há sempre jornais gratuitos para ler, o que seria excelente se eu soubesse ler em línguas estrangeiras. Aliás, seria excelente se eu soubesse ler de todo.

Ouve-se gente a falar idiomas incompreensíveis. Incluindo o português. Tentei perguntar que comboio se apanhava para o aeroporto e escolhi um indivíduo com um farto e desalinhado bigode, amarelo na parte de baixo, queimado de tanto tabaco. Motivo óbvio: era português. Mas mesmo assim não percebi patavina do que ele disse: «u xenhôre vei puracolá, sobe nas escaliéres rullants e vire a droite... faça atençon, pruque nas linhes 'hã' ê 'dô' estão entrãn de devlopar uns traválhes e é melhor ir pur a linhe truá». Ficaram na mesma? Eu fiquei. Mas no meu caso é compreensível porque o meu processador interno tem um desempenho miserável do ponto de vista cognitivo, especialmente porque tem um sistema operativo feito em Banguecoque e não consegue entender dialectos ocidentais.

Mas o que é um Suíço, afinal? E que língua fala?

Bom, o suíço, ao que parece, é um queijo. «Tem mais buracos que um queijo suíço», costumo ouvir. Pois devo dizer que não vi um único queijo na Suíça que tivesse buracos. O das racletes, por exemplo, vem assim espesso, espesso, quentinho, derretidinho, e buracos é coisa que não tem. Depois mudei de ideias, porque me disseram que o suíço, afinal, é um chocolate. Ok, parece fazer sentido. Há anúncios de televisão que dizem «a excelência do chocolate suíço». Mas, caramba, o chocolate suíço chama-se Milka. Ainda pensei que fosse aquele rapaz amaricado que canta umas músicas com uma voz muito fininha como se lhe estivessem a prender as alças das cuecas pelos ombros, mas não. Esse é o Mika, tem como nome próprio Mica Penniman (o homem que gosta de pénis, portanto, perfeitamente apropriado), nasceu no Líbano e vive em Londres. Milka é, portanto, uma mulher. Logo, não é o verdadeiro suíço.

Aparentemente, o verdadeiro suíço é uma mistura de várias origens. Conheci um suíço a quem tentei questionar para desbloquear o mistério:


- Mas tu és suíço?
- Sou.
- E nascescte onde?
- Em Antuérpia.
(Boa. Obrigado. Muito mais esclarecido...)
- Então mas como é que vieste parar à Suíça?
- A minha mãe era de Lausanne, o meu pai belga. Vim para cá aos 2 anos. Falo muito pouco de flamenco.
- Então, mas se és suíço, falas o quê?
- Francês.
- OK, e...
- (interrompendo) ...e alemão. E italiano. E um bocadinho de flamenco, como já disse.
- Mau... vou pôr a coisa noutros termos: os suíços a sério, falam o quê?
- «Swissgerman». Ou «Swissromand».
- Bolas, mas o que é isso?
- É um idioma. Um dialecto, talvez. Só os suíços é que percebem e, mesmo assim, nem todos os suíços.
- Mas é alemão?
- Não. É suíço-alemão.
(Olha, e se fosses para o raio que te parta?!)

Nem os suíços se entendem uns aos outros. Este rapaz vive perto de Genebra, tem família em Interlaken, uma avó em Ticcino e um primo em Thun. Os Natais devem ser engraçados: tudo à mesma mesa, comida com fartura, e ninguém entende uma palavra do que os outros dizem.

- Olha lá, e vocês, suíços, no futebol são uma nódoa, não é? Assim para o fraquinho.
- Bom, no Europeu, que foi aqui na Suíça, por acaso ganhámos a Portugal.
- Hum... mudando de assunto, aqui qual é o desporto nacional?
- Ski.
- Como? Isso não é desporto, é férias.
- Não é não. É um desporto e toda a gente conhece os campeões.
- Mas como é que acabaram a gostar de Ski?
- Olha à volta: por todo o lado há montanhas. Há miúdos que começam a calçar os skis antes de saberem andar. Não achas natural que dê grandes campeões?
(Começas a irritar-me seriamente...)

Se eu tivesse olhos e não estes implantes gelatinosos de plasma que me colocaram depois de escavacar as órbitas durante os bombardeamentos do Líbano, teria sido capaz de ver que a Suíça está toda entalada no meio de montanhas. Bonito, segundo dizem. Tem 26 cantões (que devem ser umas esquinas gigantes) e 7,7 milhões de habitantes. Muitos portugueses, mas infelizmente nenhum suíço de gema.

Afinal, os verdadeiros suíços devem ser os relógios. Ou os canivetes.

o

Wednesday, February 25, 2009

O carnaval nas Caldas da Rainha é o mais brejeiro do Mundo. Quem sabe, até, de Portugal

Fantásticos, estes últimos dias. Pessoas aos magotes na rua, grandes sorrisos, até uma simpatia que desconhecia existir. À noite, a grande loucura do futebol. Está-se bem em Londres. Só uma má notícia: o meu enviado-especial ao carnaval das Caldas disse-me que esteve um dia vestido à Verão. Pena. Porque parece que o carnaval das Caldas foi a brejeirice do costume...

DO NOSSO ENVIADO-ESPECIAL AO CARNAVAL DAS CALDAS,
Edgar Varejeira

(melhora depressa, man... se os danos psicológicos provocados por este carnaval to permitirem...)

«As frivolidades brejeiras do Carnaval das Caldas da Rainha começaram por volta das três horas da tarde. A criançada inocente e parola aperaltava-se para aquele que seria o ponto alto do dia: a parada das dez ou mais viaturas apetrechadas de símbolos fálicos – alguns mecânicos, outros operados pelas criaturas de indumentárias bizarras – que encarnam o historial do pénis de loiça da localidade supracitada.

Com as gentes esclarecidas e assalariadas reunidas na praça principal, o “entertainer” da rádio regional invocou a presença da rainha do Carnaval, Merche Romero, para dar início ao desfile. Ao meu lado, uma idosa criatura sorridente de seus setentas ostentava uma bandelete com dois pénis. Nas colunas espalhadas pela avenida e praça principal, as membranas vibravam ao ritmo do também-tradicional-das-Caldas samba.

O desfile começara. Uma mãe e seus dois rebentos repastavam-se com Danoninhos na praça quadrada, enquanto os balões de água acertavam, em catadupa, na Rainha do Carnaval e seus Reis. E o povo rejubilava.

Por entre as divertidas e satíricas alusões prosadas sobre José Sócrates, Oliveira e Costa e o Magalhães, constavam novas palavras, frutos do acordo gramatical com a sociedade de Riquexó-de-Baixo. As crianças, essas, sorriam. A meus olhos - lavados em lágrimas da emoção que se me apoderou de assistir a tamanhas coreografias, frutos do treino árduo dos cinco minutos anteriores ao desfile – circulavam as gentes pequenas, das escolinhas adjacentes. Cheias de vivacidade, saltitavam com os seus pequenos computadores Magalhães, cada um com o seu pénis ilustrado na tampa do dito dispositivo.

Quando terminou o desfile, o apreço do “entertainer” pela Rainha foi ouvido por todos os presentes. “Tu merches comigo, Merche”, dizia o jocoso amigo da brincadeira. O povo, esse, ria, e o brilho nos olhos dos locais garantia uma, e uma só certeza: para o ano, a comparência está garantida.»


Certas e determinadas pessoas deviam ser proibidas de sair à rua. Proibidas de existir, até. Ou então entregavam as Caldas da Rainha à jurisdição autónoma dos Açores. Isso é que havia de ser um carnaval...

o

Wednesday, February 18, 2009

O carnaval de Loulé é estúpido. Mesmo assim, um bocadinho menos estúpido que os outros

Excelentes notícias para este carnaval!

As companhias low-cost estão a fazer umas promoções bestiais para alguns destinos na Europa, o que significa que, para mim, fugir para uma cidade qualquer onde nem sequer saibam o que é o carnaval vai sair-me mais barato do que ir a Loulé assistir às festividades.

A actriz Vitória Guerra, natural de Loulé e imensamente popular pelos seus desempenhos em produções televisivas portuguesas, vai ser a estrela do carnaval louletano, onde, segundo o Algarvepressnews, a Vitória vai ter oportunidade de irradiar os esperados 100 mil visitantes com a sua estonteante beleza. Infelizmente, eu não sei quem é a Vitória Guerra, mas espero - muito, mas muito sinceramente - que não seja a menina que aparece nesta foto de divulgação do carnaval de Loulé. Quanto mais não seja porque esta menina que aparece na imagem tem, digamos, um pénis debaixo daquela tanga.

O tema do carnaval de Loulé é, este ano, «Alegria, Natureza e Carnaval». Bom, tendo em conta que um dos convidados especiais para animar a malta (sobretudo as crianças - as mais novas e as crianças adultas) é o Avô Cantigas, compreendo que estejam reunidas condições para haver «Alegria». Quem nunca gingou ao som do Fantasminha Brincalhão? Quem nunca trauteou a música do «Eu sou o avô cantigas, todas as crianças são minhas amigas...» o dia todo porque, infelizmente, é daquelas canções que se cola ao fundo do cérebro e não «deslarga»... Já quanto à parte de «Natureza», não compreendo bem como se adapta. Até porque o Avô Cantigas, como toda a gente sabe, é falso. Não é um avô a sério. Não cheira a naftalina nem usa ceroulas. É um rapaz novo que se mascara para parecer avô. A única coisa verdadeira que tem é o bigode e, mesmo assim, esse aguenta-se com laca. Mas tendo em conta que o Carlos Vidal se mascara de Avô Cantigas, então está garantida a parte de «Carnaval».

Aparentemente vai haver tanta coisa para ver e fazer durante o carnaval de Loulé que ninguém vai ter mãos a medir. Os habitantes de Loulé, por exemplo, já estão a fazer as malas para se porem ao fresco o mais rápido que conseguirem, para fugirem à horda de idiotas que vai entupir o trânsito, encher as ruas de lixo e esgotar o stock de cerveja e tremoço dos cafés. Segundo a apresentação feita pelo Algarvepressnews, vai haver «gigantones, cabeçudos, grupos de animação, a Escola de Samba da Abrigada e as bailarinas brasileiras com os corpos pintados e o samba no pé». E com pêlos nas pernas e bigodes fartos, acrescento eu. E com frio, acrescento eu outra vez.

Um estonteante total de 17 carros alegóricos irá desfilar na Avenida José da Costa Mealha* desafiando a sátira social com o tema «um animal em vias de extinção: o Homem». Bolas, não tinha ideia... não sabia que o Homem era um animal em vias de exitnção. Se calhar era importante pegar numa série de louletanos e fechá-los em habitat controlado para se reproduzirem. Só homens. Vá, homens e o lince da Malcata, todos no mesmo ambiente controlado, assim de uns 12 metros quadrados. Aposto que ganhava um louletano.

* coitado do José da Costa Mealha... deve andar às voltas na tumba. Mal sabia ele que tudo o que fez pelo município e pelas suas gentes acabaria a ser espezinhado por um ridículo corso carnavalesco... para quem não sabe, foi ele que pagou, do próprio bolso, a avenida por onde passa o desfile e que hoje tem o seu nome. Foram 15 contos de reis na altura. Era muito dinheiro. O sufuciente para comer chocos à algarvia durante 75 anos.

Vai haver um baile com concurso de máscaras, marcado para 21 de Fevereiro às 21h30 no Convento de Santo António. Dada a localização, seria previsível que fosse um desfile das melhores máscaras de monges e freiras, com claro favoritismo para uma vitória de Miguel Ângelo, dos Delfins. Mas não. Aparentemente, será um concurso para quem for mascarado de super-herói, o que significa que têm inscrição assegurada todos os que forem mascarados de Homem-Aranha, Batman, Superman, Lara Croft, Professor Bambo, Mantorras, Valentino Rossi, Manuela Ferreira Leite, Emplastro, Toy, Valentim Loureiro e talvez até daquele moço que é presidente do Comité Olímpico Português, o Vicente Moura, que, para além de ser um clone do Padre Melícias, é também um verdadeiro herói por ter suportado praticamente sobre os seus próprios ombros a desgraça que foi a representação olímpica portuguesa em Pequim. Pobre mártir. Doeu quase tanto quanto aos testículos do Martim Moniz quando se deixou entalar nas portas de Lisboa.

Honra às coisas boas que tem este ridículo carnavalinho português: as receitas do carnaval de Loulé revertem para a Santa Casa de Misericórdia. Ainda bem. Uma atitude inteligente no meio disto tudo. Até porque a Santa Casa tem gasto uma fortuna para manter a funcionar aquele abrigo anti-nuclear onde a Maddie está escondida.

o

Wednesday, January 21, 2009

Os gajos que falam mal dos gajos que falam mal do carnaval são parvos

Esta malta não tem emenda.

Dizem mal por tudo e por nada, sem qualquer conhecimento de causa. Eu sei o que digo, porque eu digo mal de tudo e de nada e não costumo saber patavina do que estou a falar. Mas, normalmente, digo mal porque me apetece. E parece-me um bom motivo para dizer mal do que quer que seja.

O carnaval é parvo. Porquê? Porque me apetece. Alguma coisa contra? É favor dizer mal, então. É para isso que este espaço serve. Para isso e para a cura do hemorroidal, porque parece que foram descobertas propriedades altamente laxativas neste espaço.

O carnaval de Torres Vedras é ainda mais parvo, por gostar de se considerar a si mesmo o carnaval mais português de Portugal. A simples existência de um carnaval em Portugal já é suficientemente parva para se pensar numa qualquer tradição relacionada com isso. Se o carnaval fosse bom, as pessoas realmente interessantes deste país (as únicas duas, portanto) aderiam, mascaravam-se e brincavam ao carnaval. Se o carnaval fosse giro, o Carlos Castro mascarava-se. Se o carnaval tivesse algum interesse, não era vivido tão intensamente apenas pelas crianças (as crianças que são crianças e as crianças que são adultas).

Portanto, em resposta ao senhor anónimo que deixou um extenso comentário que só consegui acabar de ler depois de adormecer duas vezes a meio, aqui fica:

1 - O senhor sabe daquilo que fala ?
R: Obviamente que não, caso contrário estaria a escrever colunas de opinião no Expresso. Ou na TV Guia.

2 - O senhor já alguma vez esteve no Carnaval de Torres Vedras ?
R: Obviamente que não. Eu nem sei onde fica Torres Vedras. Eu nunca saí da Arrentela.

3- Porque criticar o Carnaval de Torres edição de 2009, visto que esta ainda nem sequer foi realizada ?
R: Porque, a exemplo do carnaval de Torres edição de 2008 e do carnaval de Torres edição 2010, vai ser um carnaval feito em Torres Vedras. Parece-me suficientemente mau para ser criticável. Além disso, a organização do carnaval de Ovar paga-me 1500 euros para eu dizer mal do carnaval de Torres Vedras.

4- Têm alguma coisa contra os torrenses ou mais propriamente contra o povo PORTUGUÊS ?
R: Claro que tenho. Eu tenho sempre qualquer coisa contra qualquer povo. Ou contra qualquer coisa. Eu sou do contra. E não, eu não sou maluco. De vez em quando ouço vozes que me dizem que não sou.

5- Segundo o que me dá a entender o Sr. é brasileiro, tem alguma coisa contra os PORTUGUESES ?
R: Segundo o que me dá a entender, o Sr. está enganado. Tenho tanta coisa contra os brasileiros como contra os portugueses, com a diferença de que tenho mais contra os brasileiros.

Eu sou de uma ilha do Pacífico onde o carnaval mais frequente acontece quando uma onda gigante cresce do oceano para engolir o que resta desta ilha. Se quiser venha até cá, eu mascaro-o de menina do Tahiti e ponho-o num quadro do Gaugin.

Atenciosamente,
Elvis Presley

o

Wednesday, January 14, 2009

O carnaval de Ovar é tão estúpido quanto o de Torres Vedras

Vou enviar uma missiva ao Presidente da República a lembrá-lo daquele velho projecto que ele teve em tempos de acabar com o feriado do carnaval... era um primeiro passo para aumentar a produtividade nacional e resolver a crise...

Em Ovar há um carnaval que é praticamente tão mau como todos os outros, se não for pior ainda. O evento deste ano é identificado como «a mais louca e criativa festa popular do país», negligenciando claramente a superior categoria de outras festas de carácter popular que se realizam em Portugal, como as marchas de Lisboa ou o desfile dos pais natais no Porto. Ou mesmo a inauguração da árvore de natal do parque Eduardo VII.

O carnaval de Ovar pauta-se por ter a mesma qualidade dos outros carnavais espalhados pelo país. Ou seja, é estúpido. Pelo simples motivo de que se chama carnaval, já se qualifica directamente para a categoria «estupidez», sendo claramente um dos candidatos ao galardão de «mais estúpido de todos». Na frase de lançamento das festividades, a organização do carnaval ovário diz «sabemos que está farto de ouvir falar na crise, por isso, deixe-se envolver pela folia e levar pela loucura. Em Ovar, tome a Vitamina da Alegria® e embarque nesta viagem onde (quase) tudo é permitido». Fantástico, não é? Não só os ovários descobriram o remédio para a crise, como registaram a marca desse remédio e passaram a concorrer directamente com qualquer laboratório farmacêutico desse mundo fora. Até imagino a delegação de Ovar a fazer-se representar num congresso de medicina em Boston: «nós inventámos uma vitamina que dá alegria, faz-nos fazer coisas parvas durante uns dias e esquecer que não temos dinheiro para mandar arranjar os dentes às crianças». E depois um médico pergunta: «então e depois de passar o efeito da vitamina? Tomam mais?» Não. É um exclusivo dos dias do carnaval. Depois não vale tomar. É batota. Depois passa o efeito alucinogénio e toda a gente se lembra que vive apertado, com as meias rotas e os sapatos descascados.

A melhor sugestão dos ovários para este carnaval é que esqueçamos a crise. Pois para esquecer a crise, parece-me um princípio importante... fazer com que ela não exista. Os rios de dinheiro que se gastam num carnaval podiam servir, por exemplo, para construir um telheiro novo na escola primária, abrir dois novos postos de saúde, fazer uma morgue decente na paróquia e, quem sabe, comprar um BMW 740i ao presidente da câmara, que está farto de andar de Audi.

Se toda a gente que trabalha no carnaval de Ovar trabalhasse a sério nos seus empregos, a única crise que haveria era de asma.

Para mim, o carnaval deixava-se sossegadinho lá no Brasil, na terra dele. Ou então voltávamos àquilo que antigamente se considerava «carnaval» em Portugal: um bando de gente a atirar trampa às fuças uns dos outros. Isso sim, parece-me um bom motivo para montar um arraial.
o

O carnaval de Torres Vedras é estúpido. E o de Sesimbra também

Calma... respirar fundo, gravar uma quantidade severa de jogos da liga inglesa no Meo e fechar-se em casa a sete chaves. É a estratégia este ano para o carnaval...

Em Torres Vedras, diz-se, faz-se o carnaval mais português de Portugal. Curioso, estava mesmo convencido que o carnaval nem sequer português é. Mas quando vejo montras enfeitadas, de um lado, com corações para o dia dos namorados e, do outro, com fatos de Batman e de Noddy para mascarar as criancinhas, percebo que o problema é grave: o país está cada vez mais cheio de brasileiros e, pior que isso, cada vez mais cheio de portugueses que acham que são brasileiros.

A maior comunidade de portugueses que acham que são brasileiros existente em Portugal reside em Torres Vedras, onde, este ano, o carnaval tem o tema «profissões». Imaginando que o carnaval é uma grande tradição brasileira, as profissões a retratar serão, sem qualquer margem para dúvida: preguiçoso; bêbado; criminoso; aldrabão; jogador de futebol; apresentador de programas de TV com qualidade duvidosa; escroque; e, vá lá, sendo um bocadinho mauzinho (mas sem ofensa, a sério, só a brincar), talvez também empregado de mesa e senhora da limpeza.

O carnaval de Torres Vedras tem, este ano, uma novidade muito importante: uma sede para a associação de ministros e matrafonas. Esta sede não custou um tostão aos ministros e às matrafonas e foi inaugurada ali mesmo no centro histórico, contando com a presença do ilustre presidente da Câmara Municipal, Carlos Miguel, que pediu para esta sede ser «um carnaval todos os dias». Tem piada, este autarca. Reconheço-lhe a boa vontade de querer fazer com que estes ministros, pelo menos estes, não dêem tantas faltas às sextas-feiras, mas é curioso como Carlos Miguel, conhecido pelas autorizações concedidas para a construção civil em áreas de reserva natural e na praia de Santa Cruz, tenha tido a excelente ideia de tirar dinheiro do meu bolso (e do seu, também) para construir uma sede para brincar ao carnaval.

Era interessante perceber se o presidente da Câmara, em tempos vereador, alguma vez pensou utilizar o meu dinheiro (e o seu, também... «seu» de «você», que está a ler isto!!) para brincar a coisas mais sérias. Para arranjar uma alternativa ao fecho da maternidade do centro hospitalar, por exemplo. Ou para avançar de uma vez a estrada que ali faz falta, para Peniche, sem obrigar os munícipes a pagar portagem... se bem que, durante o carnaval, toda a gente em Torres Vedras devia pagar portagem só por existir.

Assim sendo, Torres Vedras tem agora uma sede para um monte de gente inútil organizar os seus carnavais. Atendendo ao frio que se faz sentir actualmente, prevê-se, em 2009, um carnaval ainda pior do que o dos anos anteriores, pelo que se aguarda com ansiedade para perceber se o centro hospitalar será capaz de dar vazão a tantas pneumonias na mesma semana.

O carnaval de Torres Vedras tem cabeçudos e matrafonas. O de Sesimbra tem o maior desfile de palhaços do mundo, o que não espanta, tendo em conta que a lista de palhaços envolve, igualmente, toda a gente que se desloca até lá para ver. O de Cabanas de Viriato, no distrito de Viseu, tem a «dança do cú», o que me parece suficientemente estúpido para me inibir de tecer algum tipo de consideração sobre o assunto.

Será possível que não aparece alguém que diga a esta gente que o carnaval é um costume brasileiro?...

Todo o carnaval tem seu fim... menos o português.
o

Para o improvável caso de alguém querer saber as coisas parvas que por aqui se dizem...

Coisas que se dizem assim por aí...

Free Hit Counter
Office Max Coupons